Hoje é domingo, 19 de abril de 2021, Dia do Exército Brasileiro e dia do Índio # Deu Max Verstappen no grande prêmio da Itália no circuito de Emilia Roamania. Hamilton chegou m segundo e a McLaren de Lando Noris em terceiro.
servimar engenharia Papai Noel orizon supplier Formula Um
HOME
Entrevista
 Ogmo/itaqui
Syngamar
Telex/Aniversários
 Agencias Marítimas
Soamar MA
Amigos da Marinha
Fotos & Imagens
Dicas/Serviços
Capitania dos Portos do Maranhão
The best of web
Fale conosco


Vale
 Consócio Alumar
Itaqui
 Site da Antaq
 Todos os portos
 Cartas Náuticas

Concursos
Prêmio Smart
Escoteiros em Foco
Cais do Jeep
Seminário Landlord
Dia da MULHER

Osvaldo Rocha
Comandante RAMOS
 Herbert Santos
Telex/Aniversários
 Humor
Ponto de Vista

José Clementino
Elson Burity
 Bento Moreira Lima

Aniversário Alumar
 Carta Pero Vaz
 Dia do Portuário
 Escoteiros em foco
 Nosso Papai Noel
 São Luis 408 anos
 Copa América 2019
 Cais do JEEP
 O Trem da Vale
Museu da Soamar
Presidentes do Brasil
Farol de Mandacaru
TV no Brasil: 70 anos
Hinos do Brasil

Pratimar
Petrobras
Portal Exportador
Banco Central
Receita Federal
Marinha do Brasil
Capitania Maranhão
Conapra
Policia Federal
Obra Prima CE











Banco Central surpreende e eleva a taxa anual de juros Selic a 2,75%,
Pressionado pela volta da inflação, é o primeiro aumento em quase seis anos, desde o mês de julho de 2017


Banco Central do Brasil
Copom sobe os juros em meio à escalada da inflação, impulsionada por combustíveis e dólar; última elevação da taxa havia sido feita em julho de 2015

Banco Central fez a primeira revisão da Selic para cima desde julho de 2017, quando a taxa de juros passou de 13,75% para 14,25%.

Pela primeira vez em quase seis anos, o Comitê de Política Monetária do Banco Central, o Copom, aumentou, nesta última quarta-feira, 17, a taxa básica de juros da economia brasileira, passando a Selic de 2% para 2,75% ao ano. A mudança veio acima do 0,5 ponto percentual esperado pela maior parte dos analistas. O último reajuste para cima foi em julho de 2015, quando o índice passou de 13,75% para 14,25%, e desde então os juros brasileiros seguiram uma política de sucessivos cortes e congelamentos. A Selic chegou a 2% ao ano — o patamar mais baixo da história — em agosto de 2020, dando fim ao movimento de queda gradual iniciado em julho de 2019, com a redução de 6,5% para 6% ao ano. O consenso entre analistas é que a Selic mantenha o viés de alta nos próximos encontros do Copom e encerre 2021 a 4,5% ao ano, segundo o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 15.

A Selic ficou congelada em 2% ao ano nas últimas quatro reuniões da autoridade monetária nacional, seguindo a prescrição futura, também chamada de “foward guidance”, como foi batizada a política de juros baixo para o aquecimento da atividade econômica. A trava foi retirada na primeira reunião do colegiado em 2021, em janeiro, mas com o recado de que a queda não significava a subida imediata dos juros no encontro de agora. O aumento da Selic ocorre em meio ao avanço da inflação, pressionada principalmente pelo encarecimento dos combustíveis e pela alta do dólar. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi a 5,2% nos últimos 12 meses encerrados em fevereiro e encostou no teto da meta de 5,25% perseguida pelo Banco Central, com centro de 3,75% e mínimo de 2,75%. O aumento do IPCA a partir do último trimestre de 2020 era visto como choque temporário e localizado, porém, a constância da escalada levou analistas a preverem o índice a 4,6% ao fim de 2021.

O aumento de 0,75 ponto percentual foi unanimidade entre os membros do colegiado. Em nota, o Copom afirma que o atual cenário econômico não exige políticas de estímulos, como a manutenção dos juros ao nível mais baixo da história, e que a recente elevação dos combustíveis justifica a mudança. “Apesar da pressão inflacionária de curto prazo se revelar mais forte e persistente que o esperado, o Comitê mantém o diagnóstico de que os choques atuais são temporários, mas segue atento à sua evolução”, afirmaram. “Os membros do Copom consideram que o cenário atual já não prescreve um grau de estímulo extraordinário. O PIB encerrou 2020 com crescimento forte na margem, recuperando a maior parte da queda observada no primeiro semestre, e as expectativas de inflação passaram a se situar acima da meta no horizonte relevante de política monetária. Adicionalmente, houve elevação das projeções de inflação para níveis próximos ao limite superior da meta em 2021.”

O Copom ainda aponta o aumento como o início de um processo de normalização parcial, indicando que no próximo encontro, marcado para os dias 4 e 5 de maio, deve ser feito novo aumento na casa de 0,75 ponto percentual. “Para a próxima reunião, a menos de uma mudança significativa nas projeções de inflação ou no balanço de riscos, o Comitê antevê a continuação do processo de normalização parcial do estímulo monetário com outro ajuste da mesma magnitude. O Copom ressalta que essa visão para a próxima reunião continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, e das projeções e expectativas de inflação.”

Pressão da inflação - O IPCA fechou 2020 com alta de 4,5%, acima do centro de 4% estimado para o BC e o maior valor desde 2016. Depois de passar por períodos de deflações com a queda brusca da atividade econômica no pico da pandemia da Covid-19, uma série de pressões está colocando a inflação acima da meta dos analistas. A problemática passa pela disparada das commodities no mercado internacional, em especial o barril do petróleo, além do desequilíbrio do consumo interno com a distribuição do auxílio emergencial e paralisação temporária da indústria por causa das medidas de isolamento social. A disparada do dólar no fim de 2020 e a permanência do câmbio nas alturas também explicam o avanço da inflação. As incertezas políticas, que vão desde a insegurança da capacidade do governo em manter as contas sob controle até a interferência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Petrobras, passando ainda pela falta de gestão no combate à pandemia, afugentam os investidores do país, e com eles os dólares. A PEC Emergencial, promulgada no Congresso nesta segunda-feira, 15, deve sinalizar ao mercado os esforço do país em seguir a responsabilidade fiscal, enquanto o início da distribuição do pacote de US$ 1,9 trilhão nos Estados Unidos deve aumentar a liquidez nos mercados internacionais, empurrando o câmbio para baixo. O cenário, porém, não é muito otimista. Após prever o dólar na casa de R$ 5 até o fim do ano, analistas ouvidos pelo BC já esperam que a moeda vire 2022 cotada a R$ 5,30.

O que é Copom - O Comitê de Política Monetária (Copom) é um órgão constituído em 1996 no âmbito do Banco Central do Brasil com as finalidades de estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa básica de juros da economia brasileira. Tem, ainda, a competência específica de regular a liquidez da economia, por meio dos instrumentos de política monetária. O Copom se reúne a cada 45 dias. No primeiro dia do encontro, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e as perspectivas das economias brasileira e mundial e o comportamento do mercado financeiro. No segundo dia, os membros do colegiado, formado pela diretoria do BC, analisam as possibilidades e definem a Selic.

O que é Selic - A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira. Os juros são usados pelo Banco Central como uma ferramenta para tentar controlar a inflação, pois a alta ou a queda dos juros influencia o consumo das famílias e a tomada de crédito no país. De modo geral, quando a inflação está alta, o BC sobe os juros para reduzir o consumo e forçar os preços a cair. Quando a inflação está baixa, o BC derruba os juros para estimular o consumo. A Selic tem influência em todas as taxas de juros do país, como a dos empréstimos, financiamentos e das aplicações financeiras. Quando o BC altera a meta da Selic para baixo, a rentabilidade dos títulos atrelados a ela cai e, com isso, o custo dos bancos também diminui. Assim, uma redução da Selic, por exemplo, deve fazer com que os juros cobrados pelas instituições financeiras em empréstimos também caiam. O contrário ocorre quando a Selic sobe: o custo dos bancos aumenta e eles passam a cobrar mais pelos empréstimos.

Lugar: PORTOSMA
Fonte: Bancvo Central/Jovem Pan
Data da Notí£©a: 19/03/2021

Untitled