Hoje é terça-feira, 10 de dezembro de 2019, Dia da Declaração Universal Direitos Humanos; do Sociólogo; Internacional dos Povos Indígenas e dia Universal do Palhaço. # Termina o Brasileirão e a novidade é o Cruzeiro rebaixado e vai disputar pela primeira vez a Série B
osvaldo rocha orizon supplier cargas e cais jose oliveira
HOME
Entrevista
 Ogmo/itaqui
Syngamar
Telex/Aniversários
 Agencias Marítimas
Soamar MA
Fotos & Imagens
Dicas/Serviços
Capitania dos Portos do Maranhão
The best of web
Fale conosco


Vale
 Alumar
Itaqui
 Cargas
 Todos os portos
 Cartas Náuticas

Concursos
Prêmio Smart
Escoteiros em Foco
Cais do Jeep
Seminário Landlord

Osvaldo Rocha
José Oliveira
 Herbert Santos
Telex/Aniversários
 Humor
Ponto de Vista

José Clementino
Elson Burity
 Bento Moreira Lima

Aniversário Alumar
 Carta Pero Vaz
 Dia do Portuário
 Escoteiros em foco
 Nosso Papai Noel
 São Luis 406 anos
 Copa América 2019
 Cais do JEEP
 O Trem da Vale
Museu da Soamar

Pratimar
Petrobras
Portal Exportador
Banco Central
Receita Federal
Marinha do Brasil
Capitania Maranhão
Conapra
Policia Federal
Obra Prima CE











Queda do Muro de Berlim faz 30 anos e a data é lembrada no mundo inteiro
Na Alemanha, o próprio presidente comandou um ato com a participação de Nações amigas


Foto da Agência Brasil lembra como era o muro.
Este sábado (9) marcou a passagem dos 30 anos da queda do Muro de Berlim, o chamado “muro da vergonha” que durante 28 anos separou a histórica capital germânica em duas até a reunificação da Alemanha Ocidental (República Federal da Alemanha) e da Alemanha Oriental (República Democrática Alemã) em um só país.

O geógrafo Telmo Amand Ribeiro e o jornalista Silvio Queiroz, moradores de Brasília, foram testemunhas oculares daquele momento. Estiveram em Berlim quando o muro era derrubado. Eles conversaram com a equipe da Agência Brasil sobre o 9 de novembro de 1989, quando o mudou o mundo para sempre.

A queda da barreira de cimento, ferro no meio de Berlim representou o colapso do socialismo real sob a liderança da extinta União Soviética (formada pela Rússia, Armênia, Azerbaijão, Bielorrússia, Cazaquistão, Estónia, Geórgia, Lituânia, Letônia, Moldávia e Ucrânia) e também implementado pela Bulgária, Hungria, Polônia, Romênia e Tchecoslováquia, além da Alemanha Oriental -  países que formavam a cortina de ferro que separava o mundo capitalista e o mundo socialista.

O fim da matriz europeia do socialismo é a antessala do século 21. Um tempo sem Guerra Fria entre americanos e soviéticos, mas com outros riscos a paz e outros muros – maiores e até menos transponíveis do que o Muro de Berlim. Na história recente, um outro muro, também de contenção humana, tem ganho o noticiário. É o caso da estrutura pensada e defendida por Donald Trump entre a fronteira americana com o México.

Alemanha comemora 30 anos da queda do Muro

Presidente alemão lembrou que derrubada do símbolo da Guerra Fria não significou o fim da história: 'A democracia liberal está sendo desafiada e questionada'.

A Alemanha também comemorou o 30º aniversário da queda do Muro de Berlim que dividia a Alemanha Oriental e a Ocidental, com o presidente Frank-Walter Steinmeier agradecendo aos vizinhos do Leste Europeu por estimular a revolução pacífica. A queda do muro, que separou o Oriente governado pelos comunistas do Ocidente capitalista em Berlim por quase três décadas, num símbolo poderoso da Guerra Fria, foi seguida um ano depois pela reunificação da Alemanha, em 1990. Juntamente com nossos amigos, lembramos com profunda gratidão os eventos de 30 anos atrás", disse Steinmeier durante uma cerimônia no Memorial do Muro de Berlim Bernauer Strasse, que também contou com a presença da chanceler Angela Merkel e chefes de Estado da Polônia, Hungria, Eslováquia e República Tcheca. "Sem a coragem e a vontade de liberdade dos poloneses e húngaros, dos tchecos e eslovacos, as revoluções pacíficas na Europa Oriental e a reunificação da Alemanha não seriam possíveis", disse Steinmeier.

Durante a cerimônia, Steinmeier e os presidentes das quatro nações da Europa Oriental colocaram rosas em uma pequena brecha nos restos do muro no memorial. Em agosto de 1989, guardas húngaros da fronteira pela primeira vez permitiram que pessoas da Alemanha Oriental atravessassem livremente para a Áustria, abrindo caminho para a queda do Muro de Berlim três meses depois e, com ele, o fim da chamada Cortina de Ferro. Steinmeier disse, no entanto, que o evento histórico não marcou o "fim da história", como afirmou o historiador norte-americano Francis Fukuyama. A luta dos sistemas políticos continua e o futuro é mais incerto do que nunca, acrescentou. "A democracia liberal está sendo desafiada e questionada", afirmou Steinmeier, pedindo à Alemanha e seus aliados europeus que continuem lutando por uma Europa pacífica e unida.

Lugar: PORTOSMA
Fonte: Agência Brasil/Portal G1
Data da Notí£©a: 12/11/2019

Untitled