Hoje é 25 de maio, sábado, dia da Indústria, do Massagista e do Trabalhador Rural # O MAC está fora da Série D do Brasileirão. Foi eliminado pelo Atlético do Ceará em pleno Castelão pelo placar de 2x1. Foram quatro partidas e quatro derrotas do time maqueano # Amanhã casa cheia no Castelão para Sampaio e Ferroviário-CE valando a liderança do Grupo A da Série C.
propaganda1 internacional maritima humberto gomes osvaldo rocha
HOME
Entrevista
 Ogmo/itaqui
Syngamar
Telex/Aniversários
 Agencias Marítimas
Soamar MA
Fotos & Imagens
Empresas
Dicas/Serviços
Capitania dos Portos do Maranhão
The best of web
Fale conosco


Vale
 Alumar
Itaqui
 Cargas
 Todos os portos
 Cartas Náuticas

Osvaldo Rocha
José Oliveira
 Herbert Santos
Telex/Aniversários
 Humor
Ponto de Vista

José Clementino
Elson Burity
 Bento Moreira Lima

Noticias
 Legislação

Aniversário Alumar
 Carta Pero Vaz
 Dia do Portuário
 Escoteiros em foco
 Nosso Papai Noel
 São Luis 406 anos
 Copa 2014
 Cais do JEEP
 O Trem da Vale
Museu da Soamar

Pratimar
Petrobras
Portal Exportador
Banco Central
Receita Federal
Marinha do Brasil
Capitania Maranhão
Conapra
Policia Federal
Obra Prima CE











Projeto da Receita Federal mostra a importância das Aduanas em portos e aeroportos do país
Os números de apreensões e de abordagens mostram o esforço da instituição em proteger nossas fronteiras


José Elias, durante palestra aos jornalistas no auditório da Vale
Texto e fotos: Carlos Andrade, da Redação

No momento que a Receita Federal completa meio século de história no Brasil, comemorado no último dia 20 de novembro do ano de 2017 e tem um dos seus tentáculos mais visíveis do ponto de vista das fronteiras, a Aduana, homenageada em todo o Brasil pelo seu dia comemorado no dia 26 de janeiro de cada ano, uma série de programações especiais tem sido levado a efeito para dar visibilidade das ações que estas representam no conjunto de instituições voltadas para garantir a soberania nacional e a idoneidade fiscal dos brasileiros e, ou estrangeiros que operam no país.

Uma dessas ações aconteceu na última semana, quando a Inspetoria da Receita Federal do Brasil no Porto de São Luís, representada pelo seu Inspetor Chefe Elmar Fernandes Nascimento e o Auditor Fiscal do Porto de São Luís. A programação, voltada exclusivamente a imprensa, teve dois focos distintos: mostrar em palestra a importância da Aduana Brasileira junto aos portos brasileiros e uma visita as dependências da Vale que incluiu, além de uma palestra proferida pelo analista José Clementino mostrando o gigantismo dos números do Terminal de Ponta da Madeira, um “tour” pelo complexo que, por causa do mau tempo, acabou se restringindo ao pátio de minério e vista ao Centro de Controle de embarque. Ali, num conjunto interligado de centenas de câmeras, computadores e sensores via rádio, toda a extensão da ferrovia de Carajás, com seus 892 km é monitorado em tempo real 24 horas dia. A título de ilustração, um trem de minério da Vale é composto com 330 vagões interligados a três locomotivas. A primeira é equipada com um maquinista enquanto as duas outras (uma a cada 110 vagões) é controlada a partir da primeira via rádio. Além de José Clementino, participaram da recepção dos jornalistas pela Vale Ernildo Santos, Angelina Leite e Tiago Pessoa.

Na sua palestra, José Clementino destacou a importância da Vale quando se trata de movimentação de carga, hoje superior a 200 milhões de toneladas quando se fala de todo Complexo Portuário Maranhense, incluindo-se os terminais de Alumar e do Itaqui. Desse total, a Vale, sozinha, responde por mais de 70% de tudo que é exportado no Maranhão atualmente. Uma evolução gigantesca considerando 0,6 milhão de tonelada movimentado em 1985 quando as operações foram iniciadas no Terminal de Ponta da Madeira com o embarque pioneiro de minério de ferro no navio Docepolo.

Ao falar dos 50 anos da Receita Federal e da Inspetoria de Portos de São Luís, o Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil e Inspetor Chefe da Receita Federal  em São Luís, Elmar Fernandes do Nascimento, destacou o esforço da instituição em coibir o contrabando de um modo geral e dar celeridade a legalização da entrada de cargas no país, seja através dos portos de fronteiras terrestres, como portos e aeroportos. “Nos portos de São Luís a questão de entrada ilegal de mercadorias é bastante minimizada pelas características dos nossos portos não operarem de forma mais intensa com contêineres, que é uma das opções mais usadas pelos contrabandistas”, explicou o Chefe da Receita Federal em São Luís.

Um exemplo das iniciativas mais recentes – e eficientes – da Receita Federal no combate a entrada de contrabando no Brasil foi à criação, no final do ano de 2017, da Coordenação de Combate ao Contrabando e Descaminhos que atua em todos os postos de fronteira do Brasil. Segundo o Auditor Fiscal José Elias Asbeg, responsável pela palestra que teve como tema “Conheça a Aduana” somente nos primeiros seis meses de operação, a CCCD realizou mais de três mil operações e aplicou multas que ultrapassaram a casa dos 280 milhões de reais.

A Inspetoria de Portos de São Luís conta hoje com 17 servidores, sendo 8 Auditores Fiscais, 5 analistas Tributários e 4 administrativos. Em todo país são mais de dez divisões, representando 30 Alfândegas, 27 Inspetorias de Portos, 59 Delegacias e quatro mil fiscais aduaneiros. Na parte de estrutura ao combate ao contrabando, as Aduanas contam com 2 helicópteros, armas de grandes porte, 25 cães farejadores, 11 scanner de alta precisão em aeroportos e dez embarcações blindadas. Nossa visão é “Ser uma instituição inovadora, protagonista na simplificação dos sistemas tributário e aduaneiro, reconhecida pela efetividade na gestão tributária e pela segurança e agilidade no comércio exterior, contribuindo para a qualidade do ambiente de negócios e a competitividade do país, explicou José Elias.”

Ele destacou também que as ações aduaneiras dentro da estrutura da Receita Federal, conta com um modelo de Controle que começa com Segurança e agilidade ao fluxo internacional de mercadorias, bens e viajantes. No setor de Gerenciamento de Riscos Operacionais, a Aduana é responsável pela habilitação e credenciamento de operações, controle de cargas e despachos aduaneiros, auditorias fiscais e de conformidade, vigilância e repressão ao contrabando e descaminhos, alem, de ter em sua responsabilidade, também, o controle de bens de viajantes e remessas expressas e postais.

Entre os delitos mais comuns no dia a dia das fronteiras brasileiras estão o contrabando de cigarros, contrabando e descaminhos de produtos eletrônicos, roupas, informática e drogas de um modo geral, como a cocaína, por exemplo. Combate a pirataria, tráfico internacional de drogas e de armas, assim como lavagem de dinheiro também estão dentro das atribuições da Receita Federal e das Aduanas implantadas em todos os principais portos do pais, sobretudo aqueles do litoral que representam as principais portas de fronteiras para ações de criminosas com objetivos de burlar o fisco e prejudicar a sociedade brasileira.

Todas essas tarefas, associadas as suas próprias complexidades e agravadas pela imensidão de uma fronteira de 17 mil km tem exigido da Receita Federal em geral, e das Aduanas em particular, um esforço concentrado baseado em três frentes: integração, inteligência e gestão de riscos. Apesar do enfretamento quase desigual, os números impressionam pelo volume e pela eficiência das operações. No período de janeiro a dezembro de 2018 no combate ao contrabando e ao descaminho foram apreendidos R$ 3,16 bilhões em mercadorias irregulares, maior resultado da história da Receita Federal, graças as suas equipes de fronteiras em terras, aeroportos e portos de todo o país. Em todo o ano de 2017, o total atingiu R$ 2,30 bilhões. Isto significa um aumento em 2018 de mais de 40% em relação a 2017. As principais mercadorias apreendidas foram: cigarros e similares, brinquedos, eletroeletrônicos, vestuário e veículos que representam cerca de 65% do total das apreensões. No ano de 2018 foram apreendidos 276 milhões de maços, superando em 26,7% o alcançado no ano passado, quando foram retirados de circulação 222 milhões de maços de cigarros que entrariam de forma irregular e criminosa no Brasil.

Veja fotos do evento Receita/Aduana/Vale



  

  

  

  
Momento em que Elmar Fernandes Nacimento, Inspetor Chefe da Inspetoria da Receita Federal em São Luís, abria a sessão de palestras, juntamente com José Elias Asbeg, também da Inspetoria de Portos de São Luís e Auditor Fiscal, no Auditório da Vale.

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

Lugar: PORTOSMA
Fonte: Redação/Receita/Inspetoria de Portos
Data da Notí£©a: 27/01/2019

Untitled