Novembro Azul: um mês inteiro de campanha contra o câncer de próstata # Hoje é domingo, 20 de novembro, dia da Conscieência Negra e do técnico em Contabilidade # O Atlético de Goiás é o primeiro time a ser rebaixado da Série A para a Série B.
internacional maritima granel quimica orizon supplier propaganda2
HOME
Entrevista
 Ogmo/itaqui
Syngamar
 Agencias Marítimas
Soamar MA
Fotos & Imagens
Empresas
Dicas/Serviços
Capitania dos Portos do Maranhão
The best of web
Fale conosco


Vale
 Alumar
Itaqui
 Cargas
 Todos os portos
 Cartas Náuticas

Osvaldo Rocha
José Oliveira
 Herbert Santos
Telex/Aniversários
 Humor
Ponto de Vista

Noticias
 Legislação

Aniversário Alumar
 Carta Pero Vaz
 São Luis 405 anos
 Copa 2014
 Copa Confederações
 O Trem da Vale
Museu da Soamar

Pratimar
Petrobras
Portal Exportador
Banco Central
Receita Federal
Marinha do Brasil
Capitania Maranhão
Conapra
Policia Federal
Obra Prima CE











Porto do Itaqui investe em projeto de exportação da carne brasileira para o mercado americano
Exposição nesse sentido foi feito pelo presidente da Emap na Intermodal South América, em São Paulo


Porto do Itaqui em plena expansão para o mundo
O Porto do Itaqui, no Maranhão, se prepara para ação estratégica que vai ajudar a impulsionar a venda da carne brasileira no mercado global. O porto pretende entrar mercado de exportação do produto no país, com forte impacto na cadeia produtiva desse tipo de carga na sua área de influência e no potencial mercado externo, principalmente nos Estados Unidos, foco prioritário da iniciativa. Com investimento inicial de R$ 12 milhões, em infraestrutura e tecnologia, o Itaqui caminha para ser um importante elo da cadeia de escoamento de carne processada no Norte do Brasil. A iniciativa também vai contribuir para o setor agropecuário recuperar e consolidar a relação de confiança com o mercado internacional. Isso porque o corredor adotará procedimentos com altos níveis de exigência para a exportação, o que vai garantir a qualidade da carne brasileira.

De acordo com o presidente Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago, a medida “segue os padrões máximos de qualidade para garantir a inserção do Porto Itaqui na rota de exportação de carne processada”. Os detalhes sobre o novo corredor de exportação serão divulgados durante entrevista coletiva.

Custos reduzidos - Atualmente a carne produzida na região centro-norte do país, em grande proporção destinada à exportação, está limitada a uma logística reversa, em termos de custos, distância e tempo. Utiliza o modal rodoviário até os portos do Sudeste, de modo a embarcar em navios de longo curso. Trata-se de uma logística desfavorável para o produtor, na medida em que o submete a um alto custo logístico, tanto em terra, quanto no mar. Uma maneira de mudar essa situação é estimular o uso dos portos mais ao Norte do país, entre os quais o Itaqui. Desse modo o projeto tem a vantagem de estimular o escoamento da carne ‘in natura’ pelos portos daquela região, contribuindo para descentralizar o movimento da carga nos portos do Sudeste, proporcionando maior competitividade ao produto nacional.

Valor agregado - Um dos investimentos é a adaptação de um pátio para contêiners reefers (refrigerados) e instalação de sistema elétrico. Trata-se de uma grande estrutura, com capacidade para manter produtos na temperatura ideal a fim de evitar perdas. A EMAP, como empresa pública do Governo do Maranhão, entende que o contêiner abriga carga de alto valor agregado e de grande importância para diversos setores da economia brasileira. Por entender isso, a aposta do Governo do Maranhão, que vem contando com o apoio do Governo Federal para o desenvolvimento do projeto, está na abertura do mercado norte-americano como motor de elevação da produção da cadeia produtiva da carne bovina e, em consequência, contribuir para a geração de emprego no setor. O reconhecimento norte-americano também poderá expandir para a conquista de outros mercados. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a meta é elevar a participação brasileira no mercado internacional de produtos agropecuários dos atuais 7% para 10%.

O plano já em andamento, conduzido em parceria com o Ministério das Relações Exteriores, tem o Porto do Itaqui como canal preferencial para exportação de carne frigorificada da região e envolve Ministério dos Transportes (ANTT, SEP, Antaq), além de produtores, armadores, operadores ferroviários e outros players logísticos. A proposta do Ministério é fomentar a exportação para os Estados Unidos de carne frigorificada produzida na região do MATOPIBA (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e área de influência do porto maranhense (Goiás e parte do Mato Grosso), transportada pela ferrovia Norte-Sul e escoada via Itaqui. Está sendo feito um levantamento da capacidade que os frigoríficos da região têm de exportação para o mercado norte-americano.

Potencial - Todos os elos dessa cadeia produtiva concordam que a área de influência do Porto do Itaqui tem grande potencial como produtora de carne frigorificada. Outros dois fatores sublinham ainda mais a importância do projeto: a localização estratégica do Porto, que representa sete dias a menos até a costa leste americana, em relação aos portos das regiões Sul e Sudeste, e a conexão do Porto com a Ferrovia Norte-Sul, integrando-o aos seus terminais ferroviários e pontos de concentração de carga em Anápolis, Uruaçu, Gurupi, Guaraí, Araguaína, Palmeirante, Porto Nacional e Açailândia, por exemplo.

Intermodal South América - Foi baseado neste cenário de investimentos e produtividade que o Maranhão, através do presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago, promoveu uma coletiva de imprensa na feira ‘Intermodal South América’, em São Paulo. Os números e o potencial do Itaqui e do Maranhão agradaram os participantes que repercutiram o bom momento econômico do complexo portuário maranhense, nesta época de más notícias na economia brasileira.

O Porto do Itaqui, no Maranhão, se prepara para ser o principal ponto de escoamento da carne brasileira processada da região Centro-Norte do Brasil pra o exterior. Com a série de novos investimentos do Governo do Maranhão, já em andamento, acompanhados das características do Porto, a expectativa é que o tempo dos processos burocráticos para a exportação caia em torno de 80% em relação aos trâmites tradicionais. O anúncio foi feito pelo presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago, nesta terça-feira (4), durante coletiva de imprensa na feira ‘Intermodal South América’, em São Paulo (SP). Ele ressaltou a importância do programa de exportação de carne processada levam em consideração também peculiaridades do Porto que o colocam em local de destaque, como sua profundidade, sua localização e principalmente a sua interligação ferroviária com a região. “Todas estes diferenciais, somados ao desempenho da nossa Receita Federal, considerada hoje a mais eficiente do Brasil, além de todos os investimentos em tecnologia por parte do Governo do Maranhão, irão garantir fretes mais competitivos, menos tempo e um processo muito mais dinâmico”, destacou Ted Lago.

Mercado Americano - O mercado norte-americano manifestou interesse por este novo modelo adotado e um projeto de exportação de carne para esta região nasceu a partir de uma demanda do Ministério de Relações Exteriores. “A expectativa é criar uma saída, pelo Arco Norte, de parte da carne processada na região Centro-Oeste. Atualmente, a totalidade dessa carne é exportada pela região Sul e Sudeste, de caminhão”, concluiu o presidente da Emap.

Lugar: PORTOSMA
Fonte: Assessoria Emap/Itaqui
Data da Notí£©a: 08/04/2017

Untitled