Setembro Amarelo: Campanha contra o Suicído # Hoje é domingo, 22 de setembro, dia do mototaxista # Flamengo 1x1 Avaí Futebol Clube; Santos 1x0 Atlético Paranaense; CRB 1x2 Criciuma; Figueirense 2x0 ABC; Goiás 2x1 Paysandu; Náutico 0x1 Internacional; Ceará 2x1 Brasil de Pelotas.
jose oliveira internacional maritima granel quimica osvaldo rocha
HOME
Entrevista
 Ogmo/itaqui
Syngamar
 Agencias Marítimas
Soamar MA
Fotos & Imagens
Empresas
Dicas/Serviços
Capitania dos Portos do Maranhão
The best of web
Fale conosco


Vale
 Alumar
Itaqui
 Cargas
 Todos os portos
 Cartas Náuticas

Osvaldo Rocha
José Oliveira
 Convés
Telex/Aniversários
 Humor
Ponto de Vista

Noticias
 Legislação

Aniversário Alumar
 Carta Pero Vaz
 São Luis 405 anos
 Copa 2014
 Copa Confederações
 O Trem da Vale
Museu da Soamar

Pratimar
Petrobras
Portal Exportador
Banco Central
Receita Federal
Marinha do Brasil
Capitania Maranhão
Conapra
Policia Federal
Obra Prima CE











Governo estuda soluções para acúmulo de toras e galhos em Instalações Portuárias
Técnicos do Dnit apresentaram um projeto piloto a ser implatado no Rio Madeira e Cai N´Água, em Porto Velho


Foram apresentadas no início desta semana, na sede do DNIT, em Brasília, as soluções de engenharia contra o acúmulo de toras e galhadas que tem danificado a estrutura de Instalações Públicas Portuárias de Pequeno Porte (IP4) na calha do Rio Madeira. O contrato está avaliado em R$ 2,4 milhões e tem vigência até março de 2019. Para o estudo, foi escolhida a IP4 de Cai N'Água, em Porto Velho/RO. O analista em Infraestrutura, Lindomar Luiz de Abreu Júnior, explicou que os conhecimentos serão aplicados para outras localidades que sofrem com o problema. "Levaremos em conta as especificidades de cada IP4 para criar dispositivos para proteger nossos flutuantes desses detritos", esclareceu, referindo-se também às instalações de Humaitá, Manicoré, Borba, Itacoatiara e Parintins.

As toras e galhadas vêm de um fenômeno natural conhecido como "terras caídas", ou seja, a queda de barrancos e vegetação - que inclui árvores de grande porte - das margens dos rios. No período de águas baixas, o rio escava a base desses depósitos de lama e areia, que desabam. Com a subida da água os troncos caídos começam a flutuar, e são conduzidos pelo rio. Trata-se de uma massa expressiva, que ao se chocar com uma barreira despeja muita força. As estruturas dos IP4 funcionam como obstáculos a essas galhadas, que além de causarem impacto ao se chocarem, continuam acumulando, causando o rompimento de cabos, perda de poitas e danos que podem levar ao desprendimento de pontes, até a queda no rio.

Atualmente as galhadas são removidas por meio de amarrações, puxadas por pequenas embarcações que as conduzem ao canal de navegação do rio. Por determinação do IBAMA, não é permitido retirar esse material da água. O esforço, ainda que repetido em intervalos inferiores a 24 horas, não é suficiente para resolver o problema.

Lugar: PORTOSMA
Fonte: Assessoria Dnit
Data da Notí£©a: 20/03/2017

Untitled